Logo da USF - Universidade São Francisco

botão de atalho p/ o Vestibular da USF
botão de atalho p/ o Vestibular da USF
logo usf
logo usf
botão de atalho p/ o Vestibular da USF botão de atalho p/ o Vestibular EAD da USF
DIFERENCIAIS

NEP

Intercâmbios

  • Aceito receber informações sobre oportunidade de estágio, empregos, serviços e produtos da USF e de empresas conveniadas.

    Sim Não

    Ao informar os meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.

Diferenciais

01/12/2020

Ex-aluno USF de Enfermagem atua na Alemanha

Ex-aluno USF de Enfermagem atua na Alemanha

 Ex-aluno do Curso de Enfermagem da Universidade São Francisco (USF), relata atuação como Enfermeiro na Alemanha. Segundo a coordenadora do Curso de Enfermagem, Débora Magrini Baratella Assis, o aluno entrou em contato com a Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha, em parceria com a agência pública responsável pela intermediação de empregos e formação profissional da Alemanha (Bundesagentur fur Arbeit), responsavel pelo programa do governo alemão de recrutamento e seleção de profissionais enfermeiros, graduados pela USF, para trabalhar na Alemanha.

Confira:
“Eu me chamo Ederson Vicente Rodrigues, enfermeiro graduado pela Universidade São Francisco em 2018 e pós-graduado em Nefrologia pela Faculdade Dom Alberto.
No ano de 2019 através da USF, tomei conhecimento de um processo seletivo para enfermeiros na Alemanha. No começo parecia um sonho distante e praticamente impossível, pois, para atuar fora do Brasil seria exigido muitos documentos e principalmente um bom conhecimento da língua. Mas resolvi arriscar e conhecer melhor sobre o projeto e dar uma oportunidade de pelo menos saber como funcionava.

O processo foi realizado em três etapas:

A primeira etapa foi o envio e avaliação dos documentos (histórico do curso e doumenos pessoais), na segunda etapa fomos convidados para um workshop onde foi esclarecida as questões contratuais e foi apresentado as empresas com proposta de trabalho, caso fossemos aprovados. A terceira e última etapa foi uma entrevista com os diretores dos respectivos hospitais que naquele momento buscavam profissionais para atuarem no seu país.

Após a entrevista eu recebi imediatamente a resposta que eu havia sido aprovado para atuar como enfermeiro na Alemanha e que deveria começar a me preparar para estudar alemão no Goethe Institut em São Paulo com aulas regulares de segunda a sexta feira em período integral custeado pela empresa.
Foram mais ou menos sete meses intensos de estudos da língua alemã, a pandemia nos obrigou a estudar online e mudou todo o nosso cronograma de aulas, provas e também da viagem. Inicialmente achei que todo o projeto estava tudo indo por água a baixo.

Mas em julho deste ano recebemos um email da coordenadora do RH da empresa nos convocando para uma entrevista individual pelo Skype. Nesta entrevista eles perguntaram sobre o perfil profissional, experiência, vida profissional, disponibilidade para mudança e quais seriam os meus objetivos na Alemanha. Foi uma entrevista rápida e objetiva em alemão e eles pediram para aguardar um retorno.
Em setembro, recebi retorno positivo com proposta de atuar na Alemanhã.Comecei a organizar documentos arrumar as malas e em outubro me mudei para a Alemanha.

Eu vim pela agência ZAV (agência federal de trabalho), vivo numa cidade no sul da Alemanha chamada Pulsnitz , cidade no estado da Saxónia, com uma população de aproximadamente 7.805 hab e trabalho na Vamed Klinik Schloss Pulsnitz, que é uma clínica especializada em reabilitação neurológico-neurocirúrgica com unidade de terapia intensiva.

Resumidamente, a enfermagem na Alemanha é um pouco diferente da enfermagem no Brasil. Aqui nós enfermeiros prestamos assistência integral ao paciente desde os cuidados básicos como higiene e alimentação até cuidados mais complexos como uma troca de traqueostomia por exemplo. Não temos tantas burocracias e documentações.

Para nos tornarmos enfermeiros aqui além do conhecimento intermediário do idioma é necessário realizarmos uma prova aplicada do governo do estado, que consiste em teoria e prática que comprovem nossos conhecimentos na profissão. Após a aprovação recebemos o título de Krankenpfleger que é como se chama o enfermeiro aqui na Alemanha. Enquanto isso não acontece nós somos Pflege que é um tipo de cuidador\estagiário\estudante. Apesar da enfermagem não ser reconhecida como ensino superior aqui, a carga horária prática é bem maior que das nossas universidades brasileiras. Mas isso será mudado no próximo ano e a enfermagem passará a ser um curso superior e aí muitas coisas irão mudar a nosso favor.
Eu sou muito questionado sobre algumas coisas. Como por exemplo se vale a pena trabalhar aqui, se valeu a pena cursar faculdade e hoje estar atuando diretamente na assistência, se o salario é bom, como esta sendo minha experiencia entre outras questões.

Eu sempre começo dizendo que cada experiência é única e individual, que o que eu estou vivendo é completamente diferente da vivência de outras pessoas, que o que é bom para mim pode ser ruim para o outro e vice e versa.

Aqui eu me sinto realizado, respeitado pela profissão que atuo, reconhecido por ser enfermeiro. Para mim vale a pena cada segundo trabalhado, prestar cuidados aos pacientes me faz realmente feliz. Estou conhecendo uma nova realidade profissional, novas tecnologias, tendo uma outra visão sobre o que é cuidar. Financeiramente, vivo de maneira bem confortável, tenho um poder maior de compra mesmo não recebendo um salário muito alto. A qualidade de vida é ótima, passeio tranquilamente pela rua, sem medo, seja de dia ou de noite. Trabalho para viver e não vivo para trabalhar. Tenho um emprego só e está tudo bem.

Mas existem também algumas dificuldades, pois, estamos falando de um continente, cultura e pessoas diferentes.

A maior dificuldade no momento é a barreira linguística porque mesmo tendo estudado antes, o alemão tem diversos dialetos, assim como no Brasil e tem os sotaques regionais e isso muitas vezes dificulta o entendimento.

A saudade da família, dos amigos, da comida, das festas também é uma dificuldade que deve ser levada em conta quando escolhemos mudar de país. Deixamos uma vida inteira pra trás para começar tudo novamente. Nos jogamos de cabeça no desconhecido. Mas o que me conforta é que sei que eu tenho para onde voltar caso precise.

Sei que ainda tenho um longo caminho a percorrer e muita coisa para aprender, mas não me arrependo das escolhas que fiz, de estar aqui vivendo esta experiência e mergulhando nesse país tão rico de cultura, com paisagens exuberantes, histórias incríveis e o melhor, atuando na profissão que escolhi para a vida. Isso realmente é espetacular!”



Palavras-chaves: Intercâmbio,
COMENTÁRIOS DESTA NOTÍCIA
COMENTÁRIOS DESTA NOTÍCIA
Nenhum comentário cadastrado, seja o primeiro a comentar esta notícia!
faça seu comentário
faça seu comentário
Seu nome
Seu e-mail
Sua mensagem


USF - Universidade São Francisco - Casa Nossa Senhora da Paz - Ação Social Franciscana | Todos os direitos reservados.


USF - Universidade São Francisco - Casa Nossa Senhora da Paz - Ação Social Franciscana | Todos os direitos reservados.