#os menus sao dividos pelos pipes, os links devem ter o mesmo numero de titles_breadcrumb

Pastoral Universitária

FRANCISCO DE ASSIS E O SULTÃO - 11

30/09/2019
 MÁRTIR É TESTEMUNHO, NÃO FANATISMO

Enquanto Francisco embarcava para Síria, nos fins de junho de 1219, seis frades tomaram o caminho pela Espanha, para chegarem a Marrocos atravessando o território muçulmano da península Ibérica. Eram eles os freis italianos: Vital, Oton, Berardo, Adjunto, Acúrsio e Pedro. Eles queriam o martírio a qualquer custo. Francisco quis que estes frades chegassem a Marrocos, mas não existem documentos que ele tenha exigido deles o desejo do martírio. Entram em território muçulmano sem o habito religioso e com trajes civis emprestados por uma nobre senhora.

Quando chegaram a Marrocos, esqueceram toda a prudência. Não se apresentaram como penitentes vindos de Assis, mas sim como romanos. Os romanos eram mal vistos pelos árabes. Quando perguntados o que estavam fazendo ali em Marrakech, disseram que vinham anunciar a fé em Nosso Senhor Jesus Cristo para que eles abandonassem Maomé, um vil escravo do diabo. Num primeiro momento não foram mortos; mas andaram gritando com voz forte que o profeta Maomé era um mentiroso. Foram presos e na prisão tiveram ótima ocasião para encontrar um auditório. Julgados, foi proposta uma extradição para um território cristão.

Em Marrakech, onde foram presos e soltos antes da extradição, puderam admirar o célebre minarete de Kutubiyya, lugar de convocação à oração e um monumento da arquitetura islâmica. Foram levados diante do jovem Sultão Yusuf-al-Mustansir (1214-1224) e repetiram diante dele e de seu ministro que vieram como romanos. Vir de Roma remetia à força do império romano e da força papal. Mustansir estava longe dos campos de batalha, mas sabia da guerra na Espanha e no Egito. Estranhou que eles vindos de país em guerra contra os islâmicos estivessem exatamente em terras contrárias, e não poderiam estar de acordo com eles.

Eles disseram que eram discípulos de Francisco e ensinaram sobre a Trindade, sobre Jesus morto e ressuscitado. Falaram de Abraão, de Isaac e Jacó e dos profetas. O que poderia ter sido uma conversa de esclarecimento das Escrituras virou pura ofensa. Foram novamente presos e torturados. Sem nenhuma diplomacia houve ofensas de ambas as partes. Soltos mais uma vez foram para a praça central da capital e pregavam a grandeza da religião cristã, insultando o Islã e seu Profeta.

O Sultão, num primeiro momento os considerou “loucos de Deus”. Mas ouviu de Berardo: “Maomé vos guiou através de um falso caminho e da mentira de uma morte eterna onde serão atormentados você e seus seguidores”. O Sultão, tomado de raiva, os condenou à morte. Ainda houve uma tentativa de oferecer mulheres e dinheiro para que eles deixassem de ser perseverantes na fé. Mas eles continuaram maldizendo a iniquidade de Maomé e de sua lei. Oton cuspia por terra ao pronunciar o nome de Maomé. No dia 16 de janeiro de 1220, foram mortos e decapitados.

Muito diferente o modo de ir dos seis frades e o modo de ir de Francisco. Um dialoga, os outros ofendem. Ainda que haja a generosidade da entrega pela fé, não se justifica nenhuma agressão por palavras e gestos. Ser mártir é o suprassumo do testemunho, mas não do fanatismo. Mesmo que a morte dos primeiros frades em terras islâmicas tenham suscitado um imediato entusiasmo, e que, num primeiro momento foram considerados verdadeiros frades menores, para Francisco de Assis, segundo a Crônica de Jordano de Jano, a atitude deles é vista com reserva.

Diz Jordano de Jano: “Dos que passaram à Espanha, cinco foram coroados pelo martírio. No entanto, temos dúvidas se aqueles cinco irmãos foram enviados ou não depois deste mesmo Capítulo ou do precedente, como Frei Elias com seus companheiros o foram para ultramar. Quando o martírio, a vida e a legenda dos preditos irmãos foram relatados ao bem-aventurado Francisco, ouvindo que nesta legenda ele próprio era elogiado e vendo que os irmãos se gloriavam do sofrimento deles – sendo ele o maior desprezador de si mesmo e desdenhador do louvor e da glória – rejeitou a legenda e proibiu que ela fosse lida, dizendo: “Cada um se glorie do seu sofrimento e não do sofrimento dos outros”. E assim, toda aquela primeira missão, talvez porque o tempo de enviar ainda não chegara, reduziu-se a nada, visto, sob o céu, cada coisa tem seu tempo” (JJ 7-8).

Os relatos antigos não revelam quem enviou estes frades. Eles foram por iniciativa própria, sem a força do comum. Não existe nenhum elogio de Francisco sobre o fato. Ele não fala contra os frades, mas pede que a Legenda não seja lida, isto, de certo modo é uma desaprovação. Cometer um suicídio por Deus não é algo que possa aceitar. Mas deste fato todo vamos tirar duas coisas boas: Frade tem que ser corajoso em nome da Verdade e do Evangelho, mas não causar raiva nos outros por causa disto. Os restos mortais destes mártires chagaram a Lisboa e foram venerados pelo cônego agostiniano Fernando de Bulhões. Ele, impressionado com estes mártires, quer ser um deles. Entra na Ordem e hoje temos Santo Antônio! O sangue dos cinco fecundou um grande santo; pará lá de Marrakesch algo se escreveu de direito num modo torto de ir. Em Damietta, Francisco reescreveu esta história de um modo correto.

CONTINUA

FREI VITORIO MAZZUCO


CONTINUA

FREI VITORIO MAZZUCO
FRANCISCO DE ASSIS E O SULTÃO - 11

Palavras-chave


Últimos Artigos


A pobreza do Filho de Deus no mistério da Encarnação o Natal de Greccio 21/12/2020
A pobreza do Filho de Deus no mistério da Encarnação...
A pobreza do Filho de Deus no mistério da Encarnação o Natal de Greccio
+ Leia mais
FRANCISCO DE ASSIS E O SULTÃO - 11 30/09/2019
FRANCISCO DE ASSIS E O SULTÃO - 11
FRANCISCO DE ASSIS E O SULTÃO - 11
+ Leia mais
FRANCISCO DE ASSIS E O SULTÃO - 10 30/09/2019
FRANCISCO DE ASSIS E O SULTÃO - 10
FRANCISCO DE ASSIS E O SULTÃO - 10
+ Leia mais
FRANCISCO DE ASSIS E O SULTÃO - 9 30/09/2019
FRANCISCO DE ASSIS E O SULTÃO - 9
FRANCISCO DE ASSIS E O SULTÃO - 9
+ Leia mais